MENU RESERVAR
“Monochrome bedrooms and green-tiled bathrooms. Barcelona's first design hotel on a shoestring leaves many pricier equivalents far behind.”
Monocle Travel Design Magazine(Abril 2011)

Lendas do hotel

A notável história

Tem gente que diz que foi o destino. Outros dizem que foi algo mais poderoso. Seja como for, graças ao que aconteceu tornou-se realidade um dos edifícios mais bonitos de Barcelona: a Casa Climent Arola…

Francisco de P. Villar i Carmona era um jovem arquiteto quando lhe pediram que desenhasse aquele que ia ser o templo mais imponente da cidade: a Sagrada Família. Passou três anos da sua vida encerrado, dedicando-se ao projeto. Dia e noite concebia como ia ser aquela igreja, mas ninguém, nem sequer seus colaboradores mais próximos sabiam os detalhes do templo. Dizem que se inspirou nas catedrais da idade média, com dimensões sobre-humanas e infinitos detalhes da época. Porém, somente chegou a construir a cripta. Foi traído por um dos seus ajudantes. Suspeita-se (coisa que nunca conseguiu ser provada), que foi o então desconhecido e jovem arquiteto Antoni Gaudí, quem roubou grande parte dos planos e revelou o segredo que Villar i Carmona tinha guardado zelosamente em cada um dos seus esboços*. Ao conhecer o projeto, os mecenas do templo proibiram a sua construção por ser excessivamente revolucionário. Mas como a história acabou por mostrar, o arquiteto que continuou a obra não foi menos revolucionário…

Pouco tempo depois, uma família da burguesia catalã da época, os Climent Arola, quis conhecer o arquiteto “revolucionário”. Conheciam a história do templo e desejavam construir um edifício inovador e espetacular na via mais elegante da cidade "Condal": a Rambla da Catalunha. Após desenhar vários esboços –que hoje guardamos na biblioteca do hotel- o arquiteto projetou neste novo edifício todo o engenho, criatividade e amor que não pôde deixar na Sagrada Família. Planejou uma casa com sacadas arredondadas, escadarias de mármore e colunas jônicas. Ele mesmo escolheu os alegres solos de mosaicos, desenhou as molduras dos tetos e assumiu pessoalmente cada um dos detalhes que, ainda hoje, conservamos.

Quem conhece a história garante que o espírito de Villar i Carmona segue presente nesta casa pois, tal como declarou em alguma ocasião, esta foi a casa dos seus sonhos.

Ficção ou realidade? Ainda hoje não sabemos…